Mais uma vez, promovendo a vontade de quem quer fazer “coisas” e seguindo uma actividade que ficou retratada nos frescos do túmulo do rei egípcio Amenemhat III (1844-1797